GKA Events | GKAEvents

Sign In

Projeto construindo redes: uma proposta de fortalecimento das artesanias do coletivo

Identifier

Event

Language

Presentation type

Topic it belongs to

Subtopic it belongs to

Title of the presentation (use both uppercase and lowercase letters)

Presentation abstract

Com o objetivo de proporcionar aos estudantes do curso de Terapia Ocupacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) a construção de saberes e práticas em conformidade com as diretrizes de políticas públicas do Sistema Único de Saúde (SUS), o presente projeto tem como proposta a integração ensino/serviço/comunidade, a partir da implantação de ações conjuntas com o Centro de Convivência e Cultura da Zona Oeste do Rio de Janeiro (Cecozo) e com os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) das áreas programáticas 5.1 e 5.2 (BRASIL, 2004). O Cecozo tem como público-alvo usuários de saúde mental vinculados ao SUS e pessoas da comunidade em geral da zona oeste. Com base no princípio clínico-político de integralidade do cuidado, propomos a construção de oficinas de criação e contato direto com os espaços de arte e cultura da zona oeste, com o objetivo de valorização e pertencimento ao território. Através dos processos criativos, pretende-se favorecer a escuta, o acolhimento, a expressividade, a criatividade, a inserção social e o protagonismo dos usuários, de forma a ampliar a rede de cuidados dos sujeitos em sofrimento mental, possibilitando-lhes novos modos de viver, de sentir e de agir, desestabilizando o lugar de vulnerabilidade social e do estigma da condição de “doente/paciente” na qual se encontram esses sujeitos.

Long abstract of your presentation

INTRODUÇÃO
De acordo com Amarante (2008), os serviços de saúde mental não devem atuar como espaços burocratizados – de tratamento da doença, objetivo inaugurado com o nascimento da psiquiatria –, mas como operadores de projetos de vida e promoção de autonomia. Nessa perspectiva, os Centros de Convivência e Cultura (Cecos) surgem como estratégia de atuação no território, nos espaços da vida e sociedade. De forma distinta dos Centros de Atenção Psicossociais (Caps) – que se constituem em equipamentos da saúde mental –, os Cecos não se configuram como instituições assistenciais, mas como espaço de articulação com a vida cotidiana, e têm como característica principal a proposta de fortalecimento das redes sociais e promoção de autonomia dos usuários dos serviços de saúde mental, com base na realização de atividades coletivas. As equipes dos Cecos são integradas por oficineiros, artistas plásticos, músicos, atores e artesãos, ou seja, profissionais das áreas de arte e cultura. Esses centros surgem no final da década de 1980, em São Paulo, Brasil, e vêm se expandindo pelos demais estados do país. Os Cecos foram criados por meio da Portaria n. 396 (2005) como: “Dispositivos públicos componentes da rede de atenção substitutiva em saúde mental, onde são oferecidos às pessoas com transtornos mentais espaços de sociabilidade, produção e intervenção na cidade”. Os usuários de saúde mental, além de passarem por grande sofrimento mental, também correspondem, em sua maioria, à população de vulnerabilidade social, o que prejudica a sua vinculação ao tratamento. Nesse contexto, a aposta do projeto é que os espaços coletivos potencializados pela vivência com a arte/o artesanato favoreçam o acolhimento das singularidades e a desconstrução do lugar da identidade sócio-histórica de “doente mental” que muitas vezes é referida aos sujeitos que apresentam sofrimento mental. Também é importante ressaltar que, embora a zona oeste do Rio de Janeiro registre, nos últimos anos, um crescente volume de investimentos do setor público em equipamentos sociais, ainda presenciamos escassos recursos assistenciais. Verifica-se que a área programática da zona oeste no Rio de Janeiro apresenta os piores indicadores de vida e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município do Rio de Janeiro. De forma que esse projeto pretende contribuir para a ampliação da rede de cuidados nos setores de saúde, de arte e de cultura da zona oeste do Rio de Janeiro. Com base no princípio da economia solidária, propomos a construção de oficinas de criação e o contato direto com os espaços de arte e cultura da zona oeste, com o objetivo de construção conjunta de redes socioafetivas e culturais mediante aproximação entre artistas/artesãos, profissionais, usuários da saúde mental e comunidade, através do conhecimento de técnicas de arte e/ou artesanato, para que todos possam ser multiplicadores de diversas linguagens plásticas, assim como da importância do universo da arte/artesanato para os sujeitos em sofrimento mental. Consideramos esses princípios fundamentais na proposta de ampliação dos laços sociais, no emprego das oficinas de criação. Dessa forma, decidiu-se pela parceria com o Centro de Convivência e Cultura da Zona Oeste do Rio de Janeiro (Cecozo), que corresponde a um dispositivo de arte e cultura que atende a usuários dos serviços de saúde mental e a pessoas da comunidade em geral. Considera-se que o Cecozo consiste em um espaço privilegiado para a promoção de inclusão social e autonomia, devido à sua proposta de convivência e produção de cultura – que constituem objetivos fundamentais na saúde mental – e principalmente por estar localizado em um espaço de arte e cultura, que corresponde à Lona Cultural Elza Osborne (LCEO), o que favorece a construção de identidades referenciadas ao papel de artista e à ampliação das redes socioculturais para os usuários da saúde mental, em detrimento do papel de “doente/paciente” que geralmente ocupam esses usuários. 

METODOLOGIA – No segundo semestre de 2018, foi oficializada a parceria com o Cecozo, com a participação do professor coordenador, de colaboradores e alunos voluntários do projeto. Naquele período, iniciaram-se os atendimentos, em um grupo composto por mulheres usuárias dos serviços de saúde mental, profissionais da saúde, familiares de usuários dos Caps e pessoas da comunidade da zona oeste. Com o intuito de aproximar o público-alvo da instituição de ensino IFRJ e de promover a qualificação teórico-prática a despeito dos materias utilizados na confecção dos objetos artesanais, foi realizado um curso de curta duração supervisionado por uma professora do curso de Farmácia do IFRJ. O curso abordou a temática sobre o uso de plantas medicinais, sob uma visão antroposófica, resgatando os saberes tradicionais com o manejo de plantas medicinais para fins terapêuticos e valorização desses saberes. O projeto teve duração de quatro semestres, com início no segundo semestre de 2018 e término no final do primeiro semestre de 2020.

RESULTADOS – A aposta do projeto consiste na promoção de autonomia e inclusão social dos usuários de saúde mental – acompanhados pelo Cecozo em parceria com os Caps da zona oeste do Rio de Janeiro – mediante a ampliação e o fortalecimento das redes sociais e culturais. Atualmente, a oficina é auto sustentável devido à venda dos artesanatos produzidos em eventos acadêmicos e culturais do IFRJ e da Lona Cultural Elza Osborne LCEO. A visibilidade e os convites para a participação nesses eventos promoveram o aumento da demanda para a comercialização dos produtos e, para que possamos atender-lhes, foi criado um segundo grupo, composto por mães e acompanhantes de crianças da oficina de teatro. Esse grupo, que se reúne na LCEO, é coordenado por duas integrantes da oficina, que estão repassando, para as demais mulheres, as técnicas aprendidas no projeto. Outras duas oficinas foram construídas por usuárias do projeto – que são profissionais de saúde – com o objetivo de propiciar autonomia e inclusão social à clientela acompanhada pelas profissionais. Dessa maneira, criou-se uma oficina de artes para os pais e acompanhantes das crianças atendidas no Capsi Pequeno Hans e outra que é oferecida aos usuários idosos, na clínica da família. No momento, o projeto apresenta parceria com a Rede de Economia Solidária e com a Assessoria & Planejamento para o Desenvolvimento (Asplande), que nos oferecem consultoria com objetivo de nos instrumentalizar para o planejamento, implementação e monitoramento de empreendimentos comunitários e cooperativos. Também estabelecemos uma parceria com artesãs da zona oeste do Rio de Janeiro, que ensinam técnicas de artesanato/arte com uso de materiais recicláveis. Além da comercialização dos produtos, outras ações foram realizadas. As usuárias  criaram uma página virtual com a divulgação dos artesanatos produzidos pelo grupo e da marca Arte-Zanias, que se encontra em fase de análise pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Além disso, ocorreu participação no curso introdutório em terapias externas em antroposofia realizado no IFRJ. A circulação e a participação no território foram incentivadas e produzidas através das atividades externas à LCEO, como visitas a museus e eventos para exposição e comercialização dos artefatos produzidos pelas participantes. Tais construções proporcionaram aos estudantes conhecimentos mais aprofundados sobre a proposta dos Cecos na rede de atenção psicossocial no território e o desenvolvimento de uma reflexão crítica sobre a questão da vulnerabilidade social vivenciada por essa clientela, em consonância com a concepção de economia solidária e de produção de trabalho e renda.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Como aspecto psicossocial, foi visível uma melhora na autoestima, a ampliação de vínculos, a inclusão social das mulheres acompanhadas da rede de saúde mental, a autonomia, a geração de renda com as confecções dos produtos e o repasse de conhecimentos significativos em suas redes de trabalho e em sua comunidade. Os atendimentos em grupo, através das oficinas de criação, promoveram a discussão e problematização do lugar de estigma que os usuários dos serviços de saúde mental vêm ocupando e como ele se organiza, construindo uma visão crítica sobre esse processo e favorecendo nos usuários o protagonismo e a inclusão social, por meio do contato com experiências de criação e pela aproximação com a arte, a cultura e o lazer.

Agradecimentos
Reiteramos nossos agradecimentos aos esforços da comunidade acadêmica do IFRJ, em especial à Pró-Reitoria de Extensão do IFRJ, tanto no sentido do auxílio para realização de ações de extensão do projeto aprovado pelo edital de Pró-Extensão Interno n. 1/2019 e pelo  Edital de Extensão n. 2/2019, quanto pela publicação das pesquisas em ações que são realizadas atualmente no entorno do IFRJ, campus Realengo.

Referências
Amarante, P. (2008). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Ministério da Saúde do Brasil, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. (2004). Aprender SUS: o SUS e os cursos de Graduação da Área da Saúde. Brasília: MS.


Portaria SAS no 396, de 7 de julho de 2005. (2005, 8 de julho). Aprova diretrizes gerais para o Programa de Centros de Convivência e Cultura na rede de atenção em saúde mental do SUS. Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado em 14 de março de 2020, de <http://www.normasbrasil.com.br/norma/portaria-396-2005_192226.html>

Keywords (use both uppercase and lowercase letters)

Main author information

Geruza Valadares Souza (Brazil) 1477
Scientific production

Co-authors information

Meriane Pires Carvalho Lima (Brazil) 4538
Scientific production
Marcelle Carvalho Queiroz Graça (Brazil) 4539
Scientific production
Letícia Lina Capichoni Conceição (Brazil) 4540
Scientific production
Luís Guilherme de Araújo Martins (Brazil) 4542
Scientific production
MARIA ELIZABETH TRINDADE DE CARVALHO (Brazil) 4543
Scientific production
Laíz Rosa e Silva (Brazil) 4544
Scientific production
Michele Cristina de Oliveira (Brazil) 4545
Scientific production

Status:

Approved